sábado, 24 de março de 2012

A BAIANIDADE DE JENNER AUGUSTO

GILFRANCISCO: jornalista, professor universitário, membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia e, do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe e Diretor de Imprensa da Associação Sergipana de Imprensa. gilfrancisco.santos@gmail.com




Nascido em Aracaju em 11 de novembro de 1924, desde muito jovem dedicou-se à pintura. Dedicou-se a registrar as coisas e pessoas da sua terra, através da pintura, a que se dedica hà  60 anos, desde quando descobriu a arte de outro pintor, seu conterrâneo Horácio Hora (1853-1890).
Em 1945 e 1948 realizou exposições em Aracaju. Na primeira vendeu apenas um quadro, o que o obrigou a voltar à pintura de faixas e cartazes comemorativos. A segunda foi um marco na sua carreira, ao romper com os padrões acadêmicos, substituindo-os pelas perspectivas do modernismo. Logo depois executou a pintura decorativa do Bar Cacique, na sua querida Aracaju.
Em 1949 fixa residência na Bahia, integrando-se no movimento de renovação das artes plásticas em Salvador. “Minha constância é a Bahia e o Nordeste. A Bahia, pelo lado lírico, o Nordeste, pelo trágico. Mas a Bahia é o meu maior motivo. Tenho um apego e fascinação às coisas da Bahia. É a cidade, que vivi durante 51 anos, a cidade que eu amo”.
A partir daí, Jenner Augusto da Silveira saiu pelo mundo, estabelecendo uma convivência com pintores consagrados (Mário Cravo, Carlos Bastos, Genaro de Carvalho, Carybé, Poty, Rubem Valentim, Pancetti e Portinari), participando de exposições coletivas, realizando suas individuais, ganhando prêmios, medalhas, citações e homenagens, em reconhecimento pela genialidade da sua obra: Medalha de Ouro, no VI Salão Baiano (1956), viagem ao país do Salão Nacional do Rio de Janeiro (1959) e o Grande Prêmio de Pintura, do Salão de Artes Plásticas do Rio Grande do Sul (1962).
Na Bahia, Jenner participa de mostras (novos Artistas Baianos) e realiza exposições individuais (Galeria Oxumaré – 1952), é selecionado para o I Salão Baiano de Belas Artes, executa o painel Evolução Humana, no Centro Educacional Carneiro Ribeiro. De lá sai para o Rio de Janeiro (Salão Nacional de Arte Moderna) e exposições em galerias de São Paulo. Hoje, com mostras em quase todos os Estados brasileiros e no exterior – Estados Unidos, Espanha, Alemanha, Itália, Portugal, Bélgica e França, dentre outros – a sua obra mereceu sala especial na I Bienal Nacional de Artes Plásticas e três livros.
Em 1954, morando no Rio de Janeiro, embarca na onda mundial do abstracionismo. Num encontro que teve com o amigo Jorge Amado, após esse retornar da Europa, acabou com um conflito que enfrentava: não satisfeito com o trabalho que vinha realizando, a conversa com o amigo escritor foi a luz para a retomada do figurativismo.
Jenner Augusto teve influência de Jorge Amado na sua vida e na sua obra, sendo o ilustrador do romance Tenda dos Milagres, onde consegui captar a alma dos personagens, ricos e fundamentais elementos formadores da cultura baiana, tão representada pelo universo das personagens criadas pelo escritor baiano.
Autodidata, é um artista figurativista, abordou a paisagem urbana, sobretudo o Alagados, de Salvador. “O Alagados, aquela fase, foi onde transformei aquela miséria, aquela rusticidade, aquela pobreza, numa coisa bonita. O Alagados era planos abstratos, mas sem esquecer que existiam seres humanos ali. Era uma pintura de conotação social, onde o tema era um pretexto, pois a minha pretensão ia bem além. Posso dizer, sem modéstia, que descobri o Alagados, pois muito pouco se falava nele naquela época. Era a denúncia de um fato social, um tema figurativo, uma preocupação abstracionista na arte. Eu gosto da pintura que diz sem dizer. Que insinua sem a preocupação de configurar demasiadamente aquilo que está pintando”.
Jenner percorreu também uma fase expressionista, com temática baseada no sofrimento do nordestino. “Sou muito chegado à pintura expressionista. Para meu temperamento, ela diz tudo”.
Um de suas obras mais conhecidas, o painel de azulejos Os primeiros habitantes de Sergipe, realizado em 1961, para um dos saguões do antigo Aeroporto Santa Maria, de Aracaju, foi recentemente restaurado e agora, encontra-se instalado na sede da Energipe.
Desconfiado, o artista é de temperamento quieto, caladão e de uma finura no trato a toda prova. Casado, com dona Luiza, sua companheira desde 1953 e mãe dos seus cinco filhos, dois deles também pintores.[1]




[1] Aracaju. Jornal da Cidade, 06.mar.2003.




2 comentários:

Camillo César Alvarenga disse...

Olá, gostaria de confirmar um dado: não é certo que o Jenner faleceu dia 2 de março de 2003? Se esta informação for verdadeira, muito me estranha o texto acima que: se escrito no dia 6 de março de 2003, como foi capaz de não apontar para o falecimento do artista?

Apenas gostaria de confirmar as informações para poder escrever com a consideração que se deve a este artista.

Att.

replicas relogios disse...

telasmosquiteira-sp.com.br

telas mosquiteira
telas mosquiteiro

As telas mosquiteira sp , telas mosquiteiro sp garantem ar puro por toda casa livrando-a completamente dos mosquitos e insetos indesejáveis. As telas mosquiteira garantem um sono tranquilo a toda família, livrando e protegendo-nas dos mais diversos insetos. Muitos destes insetos são transmissores de doenças e a tela mosquiteira é indispensável no combate a mosquitos transmissores de doenças.

A dengue, por exemplo, já matou centenas de pessoas só na capital de São Paulo e um pequeno investimento em nossas telas mosquiteiras podem salvar vidas. As telas mosquiteiras também impedem a entrada de insetos peçonhentos como as aranhas e os escorpiões, estes insetos também oferecem risco, pois seu veneno em poucos minutos podem levar uma criança a morte.
telas mosquiteira jundiai
telas mosquiteiro jundiai
telas mosquiteira aplhaville
telas mosquiteiro alphaville
telas mosquiteira granja viana
telas mosquiteiro granja vinana
telas mosquiteira cotia
telas mosquiteiro cotia
telas mosquiteira tambore
telas mosquiteiro tambore

A chegada da temporada Primavera/Verão traz consigo a elevação da temperatura e a maior ocorrência de chuvas. Mas não é só isso. As estações mais quentes do ano causam muita dor de cabeça e muitos zumbidos indesejáveis em função das pragas urbanas – pernilongos, baratas, cupins e outros insetos -, que afetam todas as regiões brasileiras.

Nossa missão é oferecer telas mosquiteiras de qualidade a um preço acessível, fazendo com que as telas mosquiteiras sejam uma opção viável para muitas pessoas.

telas mosquiteira industrial
telas mosquiteiro industrial
telas mosquiteira industria
telas mosquiteiro industria
telas mosquiteira restaurante
telas mosquiteiro restaurante
telas mosquiteira empresa
telas mosquiteiro empresa